Quando os bots se tornaram realmente úteis?

22/06/2017

 

 

 

Desde a experiência negativa com o bot Tay da Microsoft, que postou tweets de cunho ofensivo e grosseiro e foi retirado do ar 16 horas depois do seu lançamento em 2016, os bots passaram a significar um termo negativo de tecnologia.

 

Essa experiência negativa foi muito importante para o desenvolvimento dos bots. Se eles deveriam interagir com seres humanos, então eles precisariam desenvolver uma sensação de certo e errado e tentar conhecer as diferenças entre eles.

 

A verdade é que os bots são apenas ro-bots, ou seja, “agentes” de software que podem ser programados para conter inteligência automatizada.

 

Dada a recente incorporação de inteligência artificial ou inteligência cognitiva, o jogo mudou e os bots são atualmente a mais pulsante tendência da tecnologia da informação.

 

 

 

Bots com inteligência cognitiva vão ainda além
 

A computação cognitiva, baseada em plataformas como o Watson chega para aumentar a inteligência de forma exponencial.

 

Entendem

 

Sistemas cognitivos entendem imagens, sons, linguagem e outros dados não estruturados como os humanos fazem.

 

Raciocinam

 

Eles podem raciocinar, compreender conceitos subjacentes, formular hipóteses e inferir e extrair ideias.

 

Aprendem

 

Com cada dado, interação e resultado, eles desenvolvem e aperfeiçoam a expertise, e assim nunca deixam de aprender.

 

Interagem

 

Com habilidades para enxergar, falar e ouvir, sistemas cognitivos interagem com humanos de uma forma natural.

 

 

 

O engajamento é cada vez mais digital
 
Não temos dúvida quanto a isso, considerando a alta demanda por melhores experiências de consumo e atendimento em vários canais e um maior poder nas mãos dos indivíduos pelo uso de mobilidade e das redes sociais.

 

 

 

 

Casos de uso para conversação
 

 

 

 

Exemplos reais
 

Hyundai

 

O Watson está ajudando os clientes da Hyundai a tirar dúvidas sobre o seu mais recente lançamento, o Creta, de uma forma natural e interativa.

 

 

 

Algar

 

A Ana, um chatbot construído com o Watson, está ajudando os clientes da Algar a tirar dúvidas sobre a rede 4G e ajudando-os no processo de compras.

 

 

 

Pinacoteca do Estado de São Paulo

 

Os visitantes da Pinacoteca de São Paulo conseguem saciar sua curiosidade conversando diretamente com as obras, que respondem com a ajuda do Watson, e tornam a experiência muito mais empolgante.

 

 

 

 

Dr. Cuco

 

O Watson está ajudando a enfermeira digital do Dr. Cuco a responder perguntas sobre doenças, centro hospitalares e planos de saúde, cuidando assim da saúde de todos nós.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conclusão

 

Os desafios para obter os melhores resultados podem ser superados com o acompanhamento de uma consultoria experiente, para desenvolver uma estratégia, um planejamento e uma implementação adequados, com o melhor retorno sobre o investimento.

 

Continue seguindo o nosso blog para ficar atualizado sobre as novidades e não se esqueça de deixar suas dúvidas e opiniões!

 

 

 

Baixe nossos eBooks gratuitos:
 

Clique nas imagens

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Como os chatbots podem tornar o RH mais humano

10/09/2020

1/5
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Siga-nos
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ViaCognitiva
  • LinkedIn ViaCognitiva
  • Instagram ViaCognitiva
  • Twitter ViaCognitiva
  • YouTube ViaCognitiva

+55 (11) 3254-6200 

Av. Paulista 2202, 12º. andar
São Paulo, SP      01310-300

Brasil

© 2017 ViaCognitiva